sábado, 16 de maio de 2009

Faltando Peças (31)

Melissa mesmo sentindo todas as coisas ruins que a tornaram daquele jeito, não pôde ser tão fria a ponto de ignorar que Filipe disse aquela frase com todo seu coração, e começou a sonhar assim com um caso de felicidade entre os dois.
Mas justamente por estar gostando de verdade dele, estava achando melhor se afastar de uma vez por todas, quem sabe se mudar dali e nunca mais dar notícias.
Era o que estava querendo fazer, era o que seu lado racional estava disposto a fazer e esse lado sempre ganhava nas batalhas contra os seus desejos, mas não ali, não naquela hora, não com ele!
Começou a se sentir estranha pois nunca havia pensado que um dia isso fosse acontecer, que fosse se apaixonar por uma pessoa, que fosse querer desejar uma pessoa tanto quanto ela o desejava.

Nessa primeira confusão de sentimentos e pensamentos, ela disse:
--Pode não parecer, mas eu tenho sentimentos e isso que você me disse mexeu muito comigo.
--Eu não te acho um monstro, alguma vez agi como se você fosse um?
--Nunca, você sempre se mostrou um anjo nas vezes que tentou me explicar as coisas, e eu sou muito grata por isso.
--Eu não quero a sua gratidão, eu quero uma chance.
--Chance pra que?
--Uma chance de te mostrar que o mundo não é tão feio quanto você pinta na sua imaginação.
Ela deu uma risada estranha, quase como se fosse uma gargalhada contida, e ele continuou:

--Do que você tá achando graça? Admite que a vida pode ser mais alegre e feliz?
--Não, tô rindo do seu otimismo.
--Percebi que você é um bichinho de sete cabeças mesmo, mas sabe de uma coisa interessante sobre mim?
--Além de você ser bom com as palavras? E tenho que admitir, seu beijo é o melhor de todos, mas isso não basta pra entender a minha vida...
--Isso que eu ia te falar, eu adoro um desafio, adoro mulheres misteriosas e complexas, e você é um quebra-cabeças que minha criança quer resolver, nem que leve a vida toda.
--O problema maior de quebra-cabeças, é que na maioria das vezes, os mais difíceis de serem montados, aqueles com muitas peças minúsculas, você vai montando, montando, gasta várias horas do seu dia, e até dias, e quando está quase tudo solucionado, você percebe que tem peças faltando,
você não se sentiria desapontado com isso?

Depois que Melissa terminou de falar, Filipe quase fica sem saber o que responder, logo ele que tinha sempre resposta pra tudo, mas aquilo ali não se tratava de uma brincadeira de colegial, eram duas vidas em jogo, duas almas que estavam querendo se unir, mas alguma coisa ainda as repelia.
Então ele respondeu:
--As pessoas comuns sim se sentiriam desapontadas, e com certeza destruiriam todo progresso já feito, mas não eu, não mesmo.
--E o que o “senhor seguro de si” faria?
--Quer mesmo saber a resposta? A “senhora problema” tá preparada pra ouvir?
--Manda lá sabichão.
Disse aquilo já em tom de brincadeira e dando um empurrão na barriga dele, ela estava sorrindo, e Filipe percebeu que era hora de surpreendê-la. Então disse:
--Vou até o inferno atrás das peças, e se eu não achar, a gente inventa uma, e escreve uma nova vida juntos...

Um comentário:

  1. hummmmmm gostei desse finalzinho *__*

    que garoto romantico rsrsrs
    bjs

    ResponderExcluir